Arquivo da categoria: Itália

ITÁLIA: Casalbuono, honrando os ancestrais

Padrão

                   A Itália está no meu DNA, na proporção de 35%(MyHeritageDNA). Sempre soube que a origem da minha família vinha da Itália, que “um dia dois irmãos italianos vieram da Calabria para o Brasil, indo um para Recife e o outro para Nazaré da Mata”. Só que a história não era bem assim; eles não eram irmãos, mas primos, um deles não foi para Recife, mas Catende; o Calabria é só no nome, na verdade vieram de Casalbuono, comuna da província de Salerno, na região da Campânia. A verdadeira história eu ainda estou pesquisando, mas a comuna eu já visitei.

                                         Arredores de Casalbuono

                                         Chegada na cidade

                  Casalbuono, fica a 165km de Nápoles, e atualmente pertence ao Parque Nacional do Cilento e do Vale do Diano. O parque foi criado em 1991, para proteger a região do Cilento da especulação imobiliária e do turismo em massa. Em 1998, tornou-se Patrimônio Mundial da UNESCO. Para chegar lá alugamos um carro na estação central de trens em Nápoles e seguimos direto.  

                  Não dá para explicar a emoção que senti, ao chegar na cidade onde viveram meus ancestrais. No início achei estranho porque a cidade parecia deserta, nos dirigimos a prefeitura para solicitar alguns documentos, e a funcionária me pediu para voltar a tarde.

                                                                Prefeitura

                       Praça com nome de um ancestral Michelle Calabria

                              Mapa do Parque Nacional de Cilento e Vale do Diano

              E só depois de algum tempo vivendo no sul da Itália, foi que entendi porque a cidade estava deserta daquele jeito. Era a pausa que fazem para o almoço e descanso, entre as 13:00 e as 16:00, quando toda a cidade para. Então pedimos indicação de restaurante e fomos almoçar.

                                                    Pousada/restaurante

                                                            Restaurante

                                    Risoto de funghi e vinho da casa

                    Almoço delicioso, risoto de funghi, vinho da casa e mousse de pistacchio. Depois do almoço e enquanto aguardávamos a prefeitura abrir, fomos explorar o centro histórico. Não tenho muitos dados da fundação da cidade, mas vem da época medieval, pois consta que a igreja Santa Maria delle Grazie, situada na praça Carlo Pisacane, foi construída no século XII.

                                                        Centro Histórico

                                                Piazza Carlo Pisacane

                                          Chiesa Santa Maria delle Grazie

                 Conversei com alguns moradores, queria ter a sensação de pertencimento na cidade dos meus ancestrais. No final da tarde, no caminho de volta para Nápoles, fomos contemplados com este por-do-sol.

                                                    Voltando para Nápoles

Itália: Nápoles – walking tour

Padrão

                   Para mim, não existe melhor maneira de conhecer uma cidade do que caminhando pelas suas ruas, e em Nápoles, nós levamos essa ideia bem ao pé da letra. Foram 18,3 km percorridos a pé, de acordo com o meu celular, e seguindo meu roteiro pré-determinado. O ponto de partida, foi Chiaia, onde estava localizado o apartamento, que havíamos alugado, pelo Airbnb, pelos próximos 5 dias, dica de Ricardo Freire, do blog Viaje na Viagem.

CHIAIA

                    O bairro é muito bem localizado, fica a beira-mar, perto da Piazza del Plebiscito, a mais importante da cidade, perto do Centro Histórico, e longe do tumulto. A noite, ao longo Riviera di Chiaia, tem muitas opções de restaurantes, bares e pizzarias. Indo no sentido de Mergellina, contrário ao centro, ficava a estação de metro/trem.

                                                             Riviera di Chiaia                           

                Reservamos o primeiro dia para conhecer Nápoles, e achei que foi mais do que suficiente. Com a ajuda do mapa que estava a nossa disposição no apartamento, iniciamos nossa jornada para o centro histórico. Fomos margeando a avenida beira-mar ou Via Francesco Caracciolo, em direção a Piazza del Plebiscito, e de lá para o centro histórico.

                                            Chiaia – Via Francesco Caracciolo

                                            Piazza Vittoria-final da via Francesco Caracciolo

Via Partenope – vista contrária ao Vesúvio

                                                        Chiaia, sentido Mergellina

                 Chegamos na Piazza del Plebiscito, e subimos por uma rua até o Castel Nuovo. Optamos por não entrar no castelo, e continuar nossa caminhada, até chegar a Galeria Umberto I, onde paramos para apreciar a decoração e tomar um café.

                                                              Castel Nuovo ao fundo

GALERIA UMBERTO I

                   É um Centro comercial, em forma de cruz, coberto com uma estrutura de ferro e vidro, elementos arquitetônicos modernos, que remetem a Galleria Vittorio Emanuele II, em Milão, concluída em 1865. Nomeada em homenagem ao Rei que governou a Itália entre 1878 a 1900. Foi construída entre 1887 e 1890, para estimular o comercio e ser símbolo do renascimento de uma cidade, que se encontrava devastada. Período conhecido como “Risanamento”, que durou até a primeira guerra mundial. Tem quatro saídas; entramos pela entrada com vista para o Castel Nuovo, e saímos pela que dá acesso a via Toledo.

Galeria Umberto I – 12 signos do zodíaco em mosaico

                                                                Galeria Umberto I

QUARTIERI SPAGNOLI

                           Seguindo pela via Toledo, chegamos ao Quartieri Spagnoli, ou bairro espanhol. Tem esse nome por ter abrigado os espanhóis no século XVI. Naquela época Nápoles pertencia ao reino das Duas Sicílias, que era controlado pelo lado espanhol da família Bourbon. O Vice-rei mandou construir um local para abrigar as tropas espanholas, que eram enviadas a Nápoles para prevenir contra possíveis insurreições. É o típico bairro napolitano, com ruas estreitas, roupas penduradas na janela, crianças jogando bola e vespas passando a toda! É enorme, caminhamos por algumas ruas para sentir o clima e depois voltamos para a via Toledo para prosseguir com o nosso tour.

                                                               Quartieri Spagnolii

                                                     Peixaria no Quartieri Spagnoli

                                                              Quartieri Spagnoli

                                                                 Via Port’Alba

                    Chegando a Piazza Dante, entramos a direita na via Port’Alba para chegar no miolo mesmo do centro histórico. Depois de explorar a região, paramos para almoçar no restaurante que já havia escolhido: o Tandem Ragù Ristoranti Napoli, esse que aparece na foto, localizado na via G. Paladino, 51, que havia sido muito bem recomendado. Fui de ragù mesmo, e Daniel de nhoque, com vinho da casa. Refeição maravilhosa!

                                                     Tandem Ragu Ristorante Napoli

                                         Tandem Ragu Ristorante Napoli

                                                            Via Vicoletto S. Pietro a Maiella

                                                                              Piazza Dante

                                                          Vista do Vesúvio

NAPOLI SOTERRANEA

              Existe outra Nápoles, oculta pelas ruas caóticas da cidade, bem anterior ao que hoje conhecemos da cidade. Com a queda do Império Romano, novas construções surgiram se sobrepondo as ruínas das que já existiam, formando uma extensa rede de túneis. O início do tour, que custa 10 euros, é na Piazza San Genaro. São sítios arqueológicos, aquedutos e cisternas. Durante a segunda guerra, o local foi utilizado como abrigo anti-aéreo e hospital militar. A visita dura duas horas e as vezes é um pouco claustrofóbica, com passagens bem estreitas. Mas achei que valeu a pena.  No final, saímos dos túneis e entramos numa típica casa napolitana daquela época; e eis que a guia levanta a cama para que possamos entrar num alçapão com acesso as ruínas de um anfiteatro romano.

                                                                           Cisterna 

                                                                 Napoli Soterranea

                  Ao final do tour subterrâneo, iniciamos nossa maratona para conhecer as melhores pizzarias de Nápoles, a primeira foi a Gino Sorbillo, pertinho de onde estávamos na Via dei Tribunali, 32. Em seguida, ainda deu tempo de ir conhecer o Museo Archeológico di Napoli, numa prévia para a nossa visita a Herculano e Pompéia.

                                                                 Museu Arqueológico