Auvers-sur-Oise, nos traços de Van Gogh.

Padrão

DSC02256

                     Visitei esse charme de cidade em maio do ano passado, já no final da minha estadia em Paris. Fiz um bate-e-volta, para aproveitar o feriado de ascensão de Jesus, pois ela fica a apenas 30 km de Paris. Nos dias feriados e finais de semana, há trem direto, saindo da Gare du Nord, as 9h38, e retornando as 18h25. Mas, nos demais dias pode-se pegar um trem para Pontoise, sair da Gare Saint-Lazare ou Gare du Nord, e chegando em Pontoise, mudar de direção para Persan-Beaumont.DSC02258                  Deu vontade de revisitá-la agora, depois de ter assistido uma maravilhosa palestra do pintor holandês, Roberto Ploeg, sobre Van Gogh, por quem sou apaixonada. Ploeg é da mesma região de Van Gogh, no sul da Holanda, e forneceu uma visão do pintor, própria de um conterrâneo. Através de sua exposição, pudemos ver como os costumes da região, foram determinantes, também, na formação da personalidade de Van Gogh, e em sua pintura.DSC02302

                 Antes de Van Gogh, outros pintores já haviam sido seduzidos pelo charme e paz da cidade, preservados até hoje. Situada às margens do rio Oise, com seu aspecto medieval, lindas paisagens, ruelas e campos de trigo, serviu de inspiração para Daubiggny, Cézanne, Monet e Pissarro. Era lá, que vivia Dr. Gachet, médico psiquiatra e amante das artes, amigo desses mesmos artistas impressionistas, os quais costumava receber em sua residência. Foi a pedido de Théo, irmão de Van Gogh, que Pissarro, fez contato com Dr. Gachet, para ajudar o pintor a encontrar um lugar para morar, e poder assistí-lo. Van Gogh estava saindo de uma internação no asilo de Saint-Rèmy e buscava um local tranquilo para se recuperar. E é assim que ele descreve o vilarejo em carta a Théo, de 20/05/1890, “É o verdadeiro campo, característico e pitoresco” 243

                    Durante sua curta estadia de 70 dias na cidade, Van Gogh, pintou mais de 70 telas, e algumas delas estão reproduzidas nos locais que lhe serviram de inspiração. É uma sensação indescritível, imaginá-lo ali, pintando aquelas paisagens.

231DSC02306

                    Assim que cheguei, fui direto ao posto de informações turísticas, e lá soube que haveria uma visita guiada, pelos principais pontos turísticos, às 14:00h. Achei que não valeria a pena esperar, já que a cidade era tão pequena, que daria para percorrê-la apenas seguindo as informações do mapa.

Entrada para o Aubege Ravoux.

Entrada para o Aubege Ravoux.

                    Comecei pela casa onde Van Gogh viveu e morreu, o Auberge Ravoux, porque era quase vizinho do local onde eu estava, no centro da cidade. Hoje é um museu, em cima e restaurante em baixo. A visita custa 6 euros, nela incluída, um video e uma visita ao quarto dele.

Auberge Ravoux, ao centro

Auberge Ravoux, ao centro

Quarto nde Van Gogh viveu seus últimos dias.

Quarto onde Van Gogh viveu seus últimos dias.

     Era nesse quarto simples, que vivia Van Gogh, nos últimos meses de vida. Pagava o aluguel de 3,5 francos por mês, porque era tudo que ele podia pagar, com ajuda que recebia de Théo. Ficava no último andar do Auberge, no sótão,  nas dependências reservadas aos empregados, (femme de ménage) e tinha apenas 7m2.

DSC02250

Depois da morte de Van Gogh, o

quarto não foi mais alugado. Atualmente, está vazio, apenas a cadeira e o armário permanecem do mobiliário original.

No quarto ao lado, porém encontram-se réplicas do restante dos móveis. Existe um pequeno lavabo na parede oposta a clarabóia.

Depois do Auberge, iniciei meu tour pelos caminhos de Van Gogh, passando pela Igreja, campos de trigo, cemitério, até voltar ao centro, para o almoço.AuversIgr2725

´L'église Notre-Dame de l'Assomption

´L’église Notre-Dame de l’Assomption

234

           Tive certa dificuldade para encontrar um lugar para almoçar. Ao chegar dos campos avistei o Le Cordeville, um restaurante super simpático, mas estava cheio e não havia feito reserva. Foi quando percebi, que estava com problemas, pois todos os restaurantes estavam lotados, já que a cidade é muito pequena. Mas, finalmente, consegui encontrar um que tinha minha refeição preferida na França, pato e vinho da casa. IMG_2600 (3)

                Depois do almoço, fui para o outro lado da cidade, direto para casa do Dr. Gachet, a 20 minutos de caminhada. Não conseguia deixar de pensar que Van Gogh, havia feito aquele mesmo caminho inúmeras vezes.

Casa do Dr. Gachet

Casa do Dr. Gachet

Casa do Dr. Gachet.

Casa do Dr. Gachet.

Na volta passei pelo Château d’Auvers e  Musée de l’Absinthe

Château d'Auvers

Château d’Auvers

Musée de l'Absinthe

Musée de l’Absinthe

Musée de l'Absinth

Musée de l’Absinthe

                Apesar de pequena, Auvers-sur-Oise, tem muito para se ver, mas, infelizmente não deu para ver tudo. A Maison-Atelier de Daubigny, já estava fechada, o jeito foi voltar para a estação. para não perder o trem de volta para Paris.312

»

  1. Pingback: Giverny: Os Jardins de Monet | Ana Luiza

      • Eu também sou apaixonada por ele. Inclusive estive em Amsterdã para conhecer o museu em homenagem a ele. Fiz um poema um pouco inspirada nas informações do seu blogue:

        O coração de lápis-lazúli

        Nascida das águas
        toco a minha harpa de mil cordas
        na região onde os silêncios moram…
        Caminhando nua em jardins abandonados:
        uma realidade interior…
        …pinturas de areia
        Domino o ritmo das estações
        pouco a pouco…
        Mas às vezes eu fico confusa sobre ti,
        não vejo teu rosto
        te procuro
        Só vejo a nuvem fina de água e
        um coração grande de lápis-lazúli acende a
        luz no fundo do tanque com
        peixinhos de geléia…
        Se algo der errado (tenho medo disto),
        pegue um trem para Auvers-sur-Oise, eu estarei lá
        Nos feriados e finais de semana, é possível sair da Gare du Nord, as 9h38
        É um caminho de pedras e verduras…
        tu encontras casas antigas, com janelas verdes
        Algumas delas têm chaminés e balões de gás
        Há também uma herdade… Muitos pintores foram seduzidos por esta cidade
        Eu não sei se um dia nós vamos estar juntos, porque tudo
        É tão vago… tão belo…
        Às vezes em pensamento, seguro tua mão no silêncio… eu sei
        que temos algo em comum e que nos aproxima e atrai…
        Mas tudo é tão tênue

        O coração de lápis-lazúli não pode ficar sempre no tanque de água. À noite ele deve ficar à luz do luar. Super seven, citrino ou granada são outras pedras que o fortalecem…

        Há um campo de tulipas perto de Lisse (eu também estou lá)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s