Arquivo da categoria: México

Um passeio em Cancún

Padrão

Daniel's 257

A estadia no México estava terminando, e embora estivéssemos na Riviera Maia ainda não tínhamos colocado os pés na areia branca de Cancún. Sabia que tinha sido um balneário “criado” pelo governo do país pelo seu potencial turístico, e de antemão já imaginava que não se encaixava nos meus lugares de sonho, mas ainda assim queria conhecer. E decidi que queria ir com minhas próprias pernas, estava cansada de vans, táxis e ônibus de turismo, queria transporte coletivo e liberdade. Daniel's 251Mas, ali não era assim tão fácil, aparentemente não existe transporte coletivo na região dos hotéis. Bem que tentei, apesar de ser desencorajada pela comunidade brasileira ali instalada. Perguntei ao pessoal que trabalhava no hotel como faziam para chegar no trabalho, e eles me confirmaram que o ônibus passava na rodovia, só que teria que andar muito, uns dois quilômetros, distância da via até a entrada dos resorts. Tranquilo pensei, duas voltas na Jaqueira(parque onde costumo andar e correr no Recife)! E avisei aos meninos, “vocês eu não sei, hoje eu vou para Cancún de ônibus”! Apesar de acharem programa de índio, resolveram me fazer companhia. O pior é que eles estavam certos, não pela distância, mas pelo calor, e afinal o tal ônibus não apareceu hora nenhuma. Fomos salvos por uma van, que nos deu uma carona até o centro de Cancún, e de lá pegamos um ônibus para o setor hoteleiro, passando pela lagoa. O Setor hoteleiro, é a parte que foi programada como destino turístico internacional, onde estão os shoppings, casas noturnas e claro os hotéis que se estendem por toda a orla, ficando difícil até de conseguir uma passagem para chegar na praia.Daniel's 250 Mas enfim nossos pés pisaram a areia branca, e moral da história, Cancún não é para amadores, mas para turistas, com pôr do sol e tudo.Daniel's 254

Tulum, o início da Riviera Maia

Padrão

IPHONE DE ANA 398Daniel's 285

               Tulum, em linguagem maia quer dizer barreira ou parede, e é assim que a antiga cidade maia, se encontrava, protegida por uma muralha de 6m. Essa muralha formava um retângulo de 380m por 165m, defronte do mar, aliás Tulum é um dos poucos sítios arqueológicos estabelecidos a beira mar, mais precisamente na atual Riviera Maia. Daniel's 274Antes dos espanhóis chegaram, a cidade era um importante porto comercial. As ruínas de Tulum datam do século XIII a XVI, e ali protegida pelas muralhas a elite da sociedade maia desenvolvia suas atividades de governantes e religiosas. É incrível passear por entre as ruínas onde outrora, existia uma cidade, e através da sua arquitetura imaginar como viviam os maias. Dá para imaginar inclusive a estatura, pela altura dos vãos das portas.

IPHONE DE ANA 415

          A distância de Tulum para o nosso hotel, era de aproximadamente 70km, e para chegar lá contratamos um táxi, para ficar conosco o dia todo. Fizemos o passeio até Tulum e visitamos um outro cenote. Nos arredores da entrada do Parque, tem alguns restaurante e lojinhas, onde compramos nossos chapéus, pois o sol não dava uma trégua, e depois da experiência da pirâmide, fiquei escaldada.IPHONE DE ANA 412

IPHONE DE ANA 393

 O parque não é muito grande, dá para combinar com outro passeio, no nosso caso, fizemos uma dobradinha com o cenote. Não esquecerei jamais, a sensação de mergulhar na água fria, depois do calor do parque!IPHONE DE ANA 404

IPHONE DE ANA 403

Um mergulho num cenote!

Padrão
Cenote Ik-Kil, mais conhecido como “cenote sagrado azul”

Cenote Ik-Kil, mais conhecido como “cenote sagrado azul”

                 Assim que soube que viajaria para Yucatán no México, iniciei minhas pesquisas sobre a região, e logo elas me levaram aos cenotes, pois é a região que abriga o maior número deles no país. Segundo definição do wikipédia, “Cenotes são conexões entre a superfície e áreas alagadas subterrâneas. Enquanto os cenotes mais conhecidos são grandes piscinas medindo cerca de 10 metros de diâmetro, como as existentes em Chichén Itzá, o maior número de cenotes são pequenos locais abrigados e não necessariamente tem qualquer água de superfície exposta”  Daniel's 238

                   Durante nossa estadia, tivemos a oportunidade de conhecer dois deles.O primeiro foi o Ik-kil, ou cenote sagrado azul. Fica em  Chichén Itzá, e é enorme, tem 130 metros de profundidade e 60 de diâmetro. Não mergulhei nesse, porque o visitamos durante o nosso tour guiado, e não tem graça tomar banho com tempo contado! Além  de ter achado meio claustrofóbico.

IPHONE DE ANA 377

                  Mas, quando fomos para Tulum, contratamos um táxi para ficar conosco durante todo o dia, e ele sugeriu conhecer uma praia(me esqueci do nome), que tinha um cenote nas proximidades. Topamos na hora!Daniel's 296                 “Cenote”, significa “poço sagrado”, porque para os maias, eles eram de fato sagrados, por serem a fonte de água nos tempos difíceis. Eles acreditavam que as águas eram um canal de comunicação para falar com os deuses. E mergulhando nas águas cristalinas e refrescantes, com os peixinhos nadando a sua volta, a gente consegue entender porque os maias se sentiam dessa forma, eu também achei que estava falando com os deuses enquanto nadava. Esse cenote tinha a vantagem de ser todo ao ar livre, foi difícil ter de voltar a ser mortal na hora de ir embora.Daniel's 293

Daniel's 290Daniel's 295

 

 

Pirâmide de Kukulcán-Chichén Itzá

Padrão

IPHONE DE ANA 354               Eleita uma das 7 maravilhas do mundo moderno em 2007, a cidade maia de Chichén Itzá, também declarada Patrimônio Cultural da Unesco em 1988, fica situada no estado de Iucatã, no México. A partir do momento que confirmamos a viagem para Cancún, virou meu objeto de desejo, e ato imediato foi incluída no roteiro, deixando os detalhes para serem acertados quando estivéssemos lá. Passado o objetivo principal da viagem, que era o casamento, começamos a programar os passeios na região. E claro que Chichén Itzá foi logo a primeira da lista, para não ter o menor perigo de ficar para trás. Agendamos um pacote com uma das agências de turismo que funcionavam no hotel, que incluía além da ida para Chichén Itzá, uma visita a um cenote e a cidade colonial de Valladolid. Embora não goste muito de excursões, fechamos com a maioria, e apesar de alguns inconvenientes que sempre vêm com esse tipo de tour, tais como: a perda de tempo passando para pegar outros integrantes em hotéis, e paradas onde se ofereciam artesanatos a preços astronômicos, as explicações do guia em Chichén Itzá compensaram todos os contratempos.IPHONE DE ANA 353

                 O sítio onde se localiza Chichén Itzá, fica num parque arqueológico não muito distante da entrada principal. São muitas as recomendações que recebemos antes de entrar no parque, mas quase todas superáveis sem maiores problemas. O calor no entanto, foi um desconforto, quase insuperável.  IPHONE DE ANA 351

              Quando chegamos no parque era quase meio-dia, e no local onde ficam a pirâmide de Kukulcán, o Campo de Jogos dos prisioneiros, a Praça das Mil Colunas e o Templo de Chac Mool, não têm sombra, é de enlouquecer! Muitos do nosso grupo desistiram, e deram por visto, mas eu e Daniel ficamos até o fim,  para poder ouvir todas as explicações do guia e percorrer tudo que havia para ser visto.

Derretendo no sol

Derretendo no sol

Templo de Chac Mool

Templo de Chac Mool

IPHONE DE ANA 365

Campo de Jogos dos prisioneiros

Campo de Jogos dos prisioneiros

Detalhe da serpente. kulkucán quer dizer serpente sagrada

Detalhe da serpente. kukulcán quer dizer serpente sagrada

Daniel's 218

             A ciência dos Maias é inacreditável! Nada naquela pirâmide foi feito ao acaso, tudo tem uma razão, desde o local escolhido, as proporções, a acústica, tudo! É fantástico! Em compensação a política deles de sacrifícios humanos é de arrepiar!

Playa Del Carmen

Padrão

IPHONE DE ANA 292

             Depois de ganhar intimidade com o hotel e com a nova situação de ‘”dolce far niente” nas 24 horas do dia, decidi que tinha chegado a hora esticar um pouco as pernas, e assim fomos passar a tarde na cidade de Playa del Carmen, um dia antes do casamento. Pegamos uma van no hotel e em 10 minutos chegamos no centrinho.IPHONE DE ANA 286

           São ruas humanizadas, repletas de lojinhas onde se vende de tudo, restaurantes transados com todos os tipos de comida, bares e boates para as baladas noturnas. O centrinho também é servido de hotéis, pousadas e albergues, e talvez, se a tivesse visitado em outra circunstância, tivesse optado por ficar em lá, embora tenha adorado a experiência de me hospedar em um resort, tanto pelo hotel em si, quanto pela oportunidade de poder curti-lo junto com os amigos e familiares.IPHONE DE ANA 280IPHONE DE ANA 282

             A cidade me lembrou um pouco o estilo de Porto de Galinhas, ou Pipa, meio descoladão. Depois de bater pernas, paramos para um sorvete.IPHONE DE ANA 289

IPHONE DE ANA 284

               Depois de ter o calor abrandando, rodamos pelas praias, bem ao estilo caribenho, areias branquinhas,e mar azul. No entanto, as praias não são legais para tomar banho, por conta da quantidade de barcos, pelos menos aquelas ao longo do centrinho, por onde pude circular.IPHONE DE ANA 294

IPHONE DE ANA 296

              Valeu o passeio! No final, pude ticá-lo da minha lista, e considerar um destino a menos para conhecer.

Um casamento no México

Padrão

1981747_1065523086808418_8839848190759013228_n

                Uma brasileira, um canadense, e a celebração de uma nova vida! Assim começou nossa viagem para Cancún, como tios da noiva, fomos participar junto com eles da alegria do casamento. A escolha do local, segundo ela, foi a localização geográfica, metade do caminho entre os dois países. E o resort, foi cuidadosamente escolhido para ser o mais aconchegante para o evento, e para a estadia dos convidados, família e amigos, que viriam confraternizar, festejar, viajar e desfrutar juntos da companhia uns dos outros. Foi uma viagem maravilhosa, conforme descreverei a seguir! Começando pela chegada no aeroporto de Cancún, um divertido caos…

A chegada

A chegada no México

IPHONE DE ANA 275

                 Eram muito alemães, dois vôos, vindos da Alemanha, na mesma hora. Depois soube que nem todos passaram pelo mesmo sufoco, dependendo do horário, havia mais tranquilidade. Mas enfim, depois de alguns transtornos finalmente conseguimos chegar no nosso destino, o Grand Sunset Princess Hotel, na Riviera Maia, Mexico.

Vista do nosso quarto, esquerda!

Vista do nosso quarto!

Vista do nosso quarto, lado direito.

Vista do nosso quarto, lado direito.

           A estadia no resort seria de 7 dias, conforme previsto no pacote, de 15 a 22 de abril, sendo que a cerimônia do casamento estava marcada para o dia 17. Os dois primeiros dias foram de imersão total, praticamente ninguém saiu do hotel(dei apenas uma fugidinha até a Playa del Carmen), num dolce far niente, dividido entre sol, mar, farrinhas e os últimos preparativos para o casório. IPHONE DE ANA 299IPHONE DE ANA 277

                   E então, chegou o grande dia, todos os convidados se encontraram as 15:30, meia hora antes do inicio da cerimônia, no local pré-determinado, ao lado do restaurante a caminho do gazebo. Foi uma sensação incrível, meio mágica, o local, os convidados arrumados, mais descontraídos, a música, o mar ao fundo, foi uma experiência inesquecível vivenciar esse momento com um casal tão querido e especial. IPHONE DE ANA 309IPHONE DE ANA 336

IPHONE DE ANA 317IPHONE DE ANA 332