Turcomenistão

Padrão

livroMeu conhecimento sobre o grupo de países com nomes terminados em “tão”, e que fizeram parte da extinta União Soviética, é quase nulo. Participar do projeto do #198livros, está ajudando, em parte, a preencher essa lacuna. Depois do Uzbequistão, chegou a vez do Turcomenistão. No mapa, está situado na Ásia Central, banhado pelo Mar Cáspio, faz fronteira com o Cazaquistão a noroeste, Uzbequistão a nordeste e leste, Afeganistão a sudeste, Irã ao sul e sudoeste. O deserto Karakum ocupa 80% do território e assenta-se sobre imensas jazidas de gás natural (4ª maior reserva do mundo), a principal fonte de receita do país no comércio exterior. Para ajudar na agricultura foi construído, a partir de 1950, um grande canal Karakumskiy – a partir do rio Amu Dária. Quase 50% da área irrigada é plantada com algodão. O cultivo da monocultura do algodão foi determinado pela União Soviética, para suprir demanda interna, e a utilização do canal karakumsky para irrigação da área, provoca efeitos ambientais graves como a diminuição do Mar Aral.

AK Welsapar, autor do livro escolhido, The Tale of Aypi, vive exilado na Suécia, há quase 20 anos. Foi perseguido por ter escrito artigos com denúncias sobre o meio ambiente, que estaria sendo devastado, e sobre as vidas de mulheres e crianças ameaçadas pelas condições em que eram obrigadas a trabalhar.  Neste livro,  Ak Welsapar, relata em forma de poesia, os transtornos vividos por uma pequena comunidade de pescadores, localizada, no litoral do Mar Cáspio. Eles estão sendo expulsos de sua comunidade, onde viveram por toda vida, e onde viveram seus antepassados, deixando para trás, não só suas casas, e meio de vida, mas também toda a cultura e tradições, para dar lugar a uma clínica para tratamento de asmas. A forma, como está sendo feito o processo de ocupação/expulsão, e a reação dos habitantes frente a essa situação, é um dos temas das muitas discussões levantadas pelo autor. A discussão ganha novos temas com a chegada de Aypi, vinda do fundo do mar, onde morreu há mais de 300 anos. Ela foi condenada a morte pelos habitantes do vilarejo, por ter ganho um colar de rubi de um grupo de estrangeiros, retorna cheia de rancor e desejo de vingança. A visita que o autor nos proporciona ao vilarejo, é inesquecível. Ele narra com maestria, as diversas situações e eventos vividos pelos moradores, compartilhando esses momentos com os leitores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s