Jamaica

Padrão

Para mim, não tem como pensar na Jamaica, sem associar imediatamente ao incrível Bob Marley, de quem sou fã incondicional, das suas músicas, que embalaram muitos momentos divertidos, vividos na faculdade. A Jamaica, é uma ilha exótica e paradisíaca, situada no Caribe. Essas características promoveram o incremento do turismo, e suas consequências foram magistralmente problematizadas no romance de Nicole Dennis-Benn. 

A autora, nasceu em Kingston, a capital da Jamaica, onde viveu até os 17 anos, quando mudou-se com o pai, para os Estados Unidos, para estudar medicina. Depois de ter concluído o mestrado na área de Saúde Pública, e atuado alguns anos na área, resolveu se dedicar a atividade que realmente gostava, a escrita. Seu livro de estreia, “Bem-Vindos ao Paraíso“, escolhido para representar o pais, no projeto #198livros, foi muito aplaudido, tendo vencido o Lambda Literary Award.

Eu terminei de ler ontem, mas ainda continuo lá, na Jamaica, convivendo com os personagens, torcendo por eles e me indignando com a miséria humana: que despreza e exclui quem é diferente; que desconhece o humano no outro para cruelmente usar como fonte de renda, ou em benefício próprio; que se apropria da natureza e da cultura de um povo, pelo dinheiro. Ao narrar a trajetória de Margot, e todos os seus personagens, a autora explora temas como sexualidade, gênero, turismo sexual e racismo. Margot trabalha “oficialmente” no resort de luxo, numa praia da Jamaica, e luta com todas as suas forças para manter sua irmã mais nova, Thandi, na escola, para que ela possa ter uma oportunidade de vida melhor do que ela própria. Ela complementa sua renda usando o corpo, como foi acostumada a fazer desde sempre. O enredo se desenvolve ambientado numa pequena vila litorânea, River Bank, próxima ao resort onde Margot trabalha, e que agora também está ameaçada de ser engolida por mais um resort de luxo. Aos poucos, vamos conhecendo todos os personagens envolvidos na trama, bem como seus dramas profundos; a luta pela sobrevivência diária, marcada por um passado cruel, que volta sempre para assombrar, de mãos dadas com a pobreza, e a mercê da ganância dos poderosos, que não conhecem limites. Parece que todos os personagens foram vítimas de violência, e praticam a violência, talvez para sobreviver, difícil julgar. Uma leitura de pegada, não conseguimos parar, e quando acaba, não conseguimos esquecer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s