Índia

Padrão

Estava na dúvida sobre qual livro ler para a Índia, pois havia muitas indicações, mas bastou ler a sinopse de “O Deus das Pequenas Coisas” de Arundhati Roy, para que me decidisse por ele.  Arundhati, nasceu em Kerala, na Índia, em 1961, estudou arquitetura e trabalhou em cinema como designer de produção e roteirista. É uma ativista dos direitos humanos e causas ambientais. Esse foi o primeiro livro da autora, ganhou o Prêmio Booker Prize de 1997.

A história tem início com o retorno dos gêmeos fraternos Estha e Rahel, já adultos, à Ayemenem, cidade do estado de Kerala, sudoeste da Índia. Eles, apesar de serem gêmeos fraternos, têm uma ligação visceral, quase siamesa, e foram separados depois da noite do terror, há 23 anos. Só saberemos o que se passou nessa noite, e em todos os desdobramentos que se seguiram, e que afetaram toda família, no final do livro. A autora, vai soltando aos poucos, as características de cada personagem, e como a estrutura familiar, extremamente conservadora, numa sociedade dominada pelo sistema de castas, contribuiu para aprisionar todos os membros da família, num looping de infelicidade, até o desfecho trágico. Partindo da perspectiva dos gêmeos, a família é composta pela mãe divorciada: Ammu, que precisou sair de casa para fugir da violência, e como não tinha dote, casou com o primeiro que aparaceu, solução essa, que se revelou ineficaz, uma vez que o marido era alcoólatra e abusivo, e após o divórcio, ela volta para casa com os gêmeos, mas sem perspectivas, por ser mulher e divorciada, sem espaço no universo familiar e na sociedade; a avó, de personalidade forte, mas vinda de um casamento abusivo, só tem olhos para o filho homem Chacko; a tia-avó, amarga, que viu todos os seus sonhos desmoronarem por um amor não correspondido; um tio perdido, parado no tempo, sem forças para seguir em frente. Com a chegada da prima Sophie, filha do tio Chacko, nascida na Inglaterra, branca, e que mereceu ser amada desde o princípio, os gêmeos, aprendem que existem “leis do amor”, que podem definir quem deve ser amado, e o quanto.  É um livro fantástico, uma história extremamente triste, mas que não se pode ignorar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s