Moçambique

Padrão

                      Tinhafoto (7) na cabeça uma imagem de Moçambique que absolutamente não correspondia a realidade. Não sei por que imaginava uma terra árida e feia, e qual não foi minha surpresa ao assistir um vídeo sobre o país, e ver como o lugar é lindo, praias belíssimas, natureza perfeita, povo simpático, animado e colorido. A única nota triste foi saber o índice de contaminação com a AIDS, segundo dados que vi, é de 1 pra 10, uma das maiores taxas do planeta. Localizado no sudeste da África e banhado pelo oceano Índico, foi colonizado por Portugal,  e só conquistou sua independência em 1975, e apenas dois anos depois começou uma difícil guerra civil que durou até 1992.  É neste cenário devastado, que se passa a história do livro da vez, Terra Sonâmbula, de Mia Couto. Ainda não tinha lido nada dele, e estava na maior expectativa.

                O livro conta a história de dois companheiros, Tuahir e Muidinga, um velho e um menino que viajam fugindo da miséria deixada pela guerra, que tudo devastou. No caminho encontram um ônibus incendiado, que utilizam como abrigo, e uma velha mala contendo 12 cadernos com o diário de Kindzu, outro viajante, também fugitivo da terra devastada. Para se distraírem da solidão e dos sofrimentos começam a ler as histórias contadas por Kidzu em seu diário. As histórias dos três personagens vão sendo contada alternadamente e a medida que avançam, vamos conhecendo a vida e os costumes do país, sua magia e o pesadelo causado pela guerra. Também vamos acompanhando a evolução dos personagens, o amadurecimento de Kindzu e o estreitamento do relacionamento entre o menino e o velho.

                Mia Couto escreve de uma forma magnífica, quase que não nos deixa tomar folego. Fiquei fascinada também pelo português de Moçambique, a forma como determinadas palavras são utilizadas. Porque não é só a utilização de palavras sinônimas, mas, o mesmo significado com uma variação diferente, como nesse trecho aqui: “A estrada não traz ninguém. Enquanto a guerra não terminasse era mesmo melhor que nenhuma pessoa estradeasse por ali.” Apesar das atrocidades da guerra, Mia Couto nos conduz por uma bela estrada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s