Turquia

Padrão

                   Sempre fico na expectativa quando surge a oportunidade de ler um nobel, porque considero que a leitura deve ser, no mínimo instigante. E foi assim, quando a escolha do representante da Turquia recaiu sobre “O Museu da Inocência” de Orhan Pamuk,  ganhador do nobel de 2006. Esse foi  o primeiro livro escrito por Pamuk depois da premiação. O museu da inocência, existe de fato, e está localizado em Istambul, cidade onde foi ambientada a história do livro, o que aumentou ainda mais minha curiosidade sobre o romance. O tema central do livro, é o relacionamento extravagante entre os dois protagonistas, Kemal e Füsun. Ele, que é um autêntico representante da classe média alta de Istambul, nos anos setenta, vive o que se poderia chamar de uma vida invejável. Aos trinta anos, trabalha nas empresas da família; tem um excelente círculo de amigos, companheiros de todas as horas, e participa ativamente da vida social de Istambul, juntamente com Sibel, sua noiva. Eles, Kemal e Sibel, têm um relacionamento moderno e amoroso, e estão de noivado e casamento marcado, como era costume entre eles.  Enfim, ele vive intensamente e está feliz a vida que leva, até o dia que se reencontra, com Füsun, uma prima distante que ele não via há bastante tempo. A partir de então, sua vida nunca mais será a mesma, pois a paixão por Füsun, vai virar uma obsessão, que futuramente vai se perpetuar, com a criação do Museu, formado com qualquer objeto que tenha feito parte da história deles. Se por um lado essa obsessão por Füsun, torna a leitura extremamente maçante, o pano de fundo do enredo; a excursão pela Istambul dos anos 70; a convivência com a sociedade daquela época, como viviam e pensavam; os acontecimentos políticos; e a influência que o ocidente sobre o país (“…Os filmes dessa época nos apresentam exemplos abundantes de nosso fetiche pela luxúria infiel do ocidente…“);  são narrados de forma tão minuciosa que faz valer a pena a leitura, por todo o conhecimento que nos proporciona, sobre a vida naquele país.

A história é narrada por Kemal, e em dois momentos o próprio Pamuk vira personagem, o que deveria tornar o enredo mais interessante, mas a verdade é que fiquei frustada com o livro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s