Bielorússia

Padrão

  IMG_0521Não consigo me lembrar porque o nome da capital Minsk me soa tão familiar, se não conhecia nada sobre o país. Claro, que agora depois de algumas “googladas” peguei algumas informações, como localização geográfica, cultura e política. A Bielorússia só conquistou a independência, em 1991, depois de ter pertencido a União Soviética por mais de 70 anos. O nome da Bielorússia significa “Rússia Branca”, e assim como no nome, a influência da Rússia, se faz bem presente, segundo relato de quem a visitou, em todas as áreas; na arquitetura, no comércio, e principalmente  no idioma, já que o russo é o idioma falado, e a língua oficial juntamente com o bielorusso. No entanto, a herança mais impressionante refere-se a forma de governo, pois embora o nome oficial do país seja República da Bielorússia, o país vive numa ditadura nos moldes da antiga União Soviética, comandada por Alexander Lukashenko, presidente desde 1994, e considerado como “o último ditador na Europa”. Para se conhecer a autoridade do regime, tome-se o fato do livro do jovem escritor Victor Martinovich, Paranoia, ter sido retirado das prateleiras dois dias após sua publicação. Aliás, esse foi o escolhido para representar o país no #198livros.

Paranoia, é uma novela sobre uma história de amor ambientada num país fictício que vive um regime ditatorial. Embora o autor tenha o cuidado de esclarecer que se trata de uma história fictícia, num país fictício, percebe-se claramente nas descrições das cidades e do país, assim como dos personagens, que suas características foram baseadas nas de Belarússia, Minsk e sua atual realidade. Trata-se de um triângulo amoroso, do qual fazem parte, o jovem escritor e protagonista Anatoly Nevinsky, que se apaixona por Elisaveta, para depois descobrir que ela também tem um relacionamento com  Muraviov, Ministro do Serviço Secreto. Anatoly é um escritor famoso em seu país e no exterior, principalmente, pelo interesse que a situação do país desperta no mundo.  O triângulo amoroso se desfaz, depois que Elisaveta engravida e desaparece. A narrativa é feita pelo protagonista, que apaixonadamente mistura romance e política, fazendo referências literárias, e alternando humor com loucura. É uma história forte, por vezes acelerada e noutras um pouco maçante, mas sem dúvida um romance marcante.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s