Japão

Padrão

                        Foi num impulso que comprei este livro, logo no início do projeto, e deixei separado para quando chegasse a vez do Japão, no sorteio. Mas o tempo foi passando, e nada, então foi ficando lá, esquecido na estante. Um dia, vi o trailer do filme no cinema, uma, duas, três….inúmeras vezes, e abusei da história antes mesmo de ter visto o filme, e lido o livro. Pensei até em escolher outro para o Japão, mas resolvi persistir, e incluí-lo em outro desafio. Dessa forma, não só seguiria minha intuição, como iria descobrir o que motivou  Martin Scorsese, a reler tantas vezes, depois da primeira leitura em 1987, até adaptá-lo para o cinema. Ele foi publicado a primeira vez no Japão, em 1966, e fez um enorme sucesso, e colocou o cristianismo em discussão, não só no Japão, como entre os próprios cristãos.

                          O livro conta a história ficcional, mas baseada em fatos reais, de dois jesuítas portugueses, Sebastião Rodrigues e Garpe, que viajam ao Japão no final da década de 30, do século XVII, para descobrir o paradeiro do seu mentor, o padre Ferreira, que teria escolhido a apostasia ao martírio. No Japão, naquela época,  os cristãos eram perseguidos e torturados, até renegarem a fé pisando na imagem de Cristo. Meu exemplar foi traduzido a partir da tradução do japonês para o inglês, por William Johnston. No prefácio, ele faz uma descrição do contexto histórico, do conturbado período em que se passa O Silêncio, ou seja os conflitos entre o Oriente e o Ocidente, especialmente na relação com o cristianismo, e que de acordo com a visão do autor, fracassou no Japão, por ser considerado um “charco”, “por que suga todas as ideologias, transformando-as e, nesse processo distorcendo-as“.  O autor é católico praticante, e com uma escrita envolvente, descreve a saga dos dois jesuítas, que viverão o mesmo suplício que seu mentor, a perseguição religiosa, tortura, a angústia da fé, e no final  terá que   escolher entre abandonar o rebanho ou o seu Deus. Impossível não se emocionar, com a história. E no final, estávamos certos, eu, minha intuição e a motivação de Martin Scorcese, que teria encontrado nesta obra um tipo de amparo, poucas vezes encontrada em outras obras de arte.                          

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s