Eslovênia

Padrão

                                                A Eslovênia foi um dos seis países que fizeram parte da Iugoslávia, a partir de 1945, até ficar independente em 1991. Isto, depois de ter pertencido ao Império Romano, ao Império Bizantino, a República de Veneza, ao Ducado de Carantânia (o atual norte esloveno), ao Sacro Império Romano-Germânico, a Monarquia de Habsburgo, ao Império Austríaco (a partir de 1866, Império Austro-Húngaro), ao Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos (depois Reino da Jugoslávia) e a República Socialista Federativa da Iugoslávia de 1945, até finalmente conquistar a independência em 25 de junho de 1991.

Eu só pude entender, um pouco melhor, a questão da Iugoslávia, depois de uma pesquisa que fiz antes de ler o livro da Bósnia e Herzegovina. Esse livro, no entanto, aborda outra questão, que ainda não tinha tido conhecimento. No livro da Bósnia, um menino narra os conflitos vividos durante a guerra e como teve que emigrar para a Alemanha, para sobreviver. Já no livro escolhido para a Eslovênia, Southern Scum Go Home, do esloveno Goran Vojnović, um menino narra as dificuldades que ele enfrenta, por ser um scum, (uma pessoa que vive em determinado país, mas sem pertencer a maioria étnica), pois são muitas as diferenças culturais entre os locais e os imigrantes da extinta Iugoslávia. Filho de pais Bósnios, ele vive em Fužine, um bairro urbano da classe operária com grande proporção de imigrantes ao leste do centro de Liubliana. A situação descrita pelo narrador, neste romance, é a mesma vivida, durante os anos 90, por mais de 25.000 de residentes eslovenos, conhecidos por Izbrisani, ou “apagados”, porque foram eliminados dos registros de residência permanente em 1991, e assim perderam a oportunidade de se tornarem cidadãos. As crianças Izbrisani tinham a certidão de nascimento registrada na Eslovênia como sendo cidadãos de outras repúblicas da Iugoslavas, mas, com frequência, as repúblicas não eram informadas do nascimento. E na Eslovênia, como em outras repúblicas europeias, adota-se o Jus Sanguinis, para conceder a cidadania, não importando se as crianças tenham nascido e vivido toda a vida no país. Como não tinham direitos legais, e perderam a conexão com o país de origem dos pais, ficaram sem pátria, assim ,por medo da deportação, aprenderam a desaparecer nas ruas e evitar a polícia. Embora curtinho, o livro retrata bem essa drama vivido por esses jovens em Fužine, bem como em outras partes da Eslovênia.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s